25 de janeiro de 2010

CONSUMIDOR CONSCIENTE



Por Darci Bergmann
- Avalie bem a propaganda. Evite o supérfluo e aquilo que é produzido sem responsabilidade ambiental. A propaganda barulhenta perturba o sossego público e ainda prejudica a saúde.
- Produtos descartáveis, tais como barbeadores, copos e garrafas de cerveja aumentam o lixo e desperdiçam recursos. Dê preferência àquilo que não produz lixo ou que pelo menos o reduza. Até as sacolas descartáveis podem ser evitadas.
- Fumante, não fume perto de crianças e em ambientes fechados. Não jogue tocos de cigarro acesos pela janela do carro. Muitas queimadas começam assim.
- Escolha os alimentos pelos seus nutrientes. Evite os enlatados. Eles contem aditivos químicos. Faça você mesmo sucos, como alternativa aos refrigerantes calóricos.
- Se possível faça sua própria horta e cultive sem agrotóxicos. Existem produtos biológicos para o controle de pragas e moléstias. Pássaros, sapos, rãs e lagartixas são predadores de insetos e outras pragas. Proteja-os. Plante árvores. Elas atraem aves, amenizam o calor, reduzem a radiação ultravioleta e diminuem o aquecimento global.
- Pulverizações domiciliares de veneno liberam vapores tóxicos. Mosquiteiros e telas protegem contra os mosquitos. Produtos de limpeza podem conter fenóis prejudiciais à saúde. O branqueamento do papel também libera substâncias tóxicas. Prefira o papel reciclado ou o papel virgem não branqueado.
- Em casa ou no local de trabalho, separe o lixo em ORGÂNICO: folhas, cascas de frutas, etc.; SECO: vidros, latas, plásticos, papel limpo, etc.. O orgânico se transforma em adubo. Com tijolos, tábuas, sacos de plásticos ou outros materiais faça caixas de compostagem. Folhas, aparas de grama e papel higiênico podem ser adicionados e se transformam em húmus. Doe ou venda o lixo seco. Pilhas, baterias de celular e lâmpadas fluorescentes devem ser devolvidos no local onde foram comprados. Pilhas recarregáveis geram menos lixo.
- Poupe energia, poupe água. Não deixe luzes acesas em compartimentos vazios. Desligue o chuveiro enquanto estiver se ensaboando. Feche a torneira durante a escovação dos dentes. Ande menos de carro e, se possível, utilize o transporte coletivo.
- A Natureza faz bem. Não jogue lixo nas praias, praças, parques e ruas. Quando acampar, evite fogueiras junto às árvores. Ao sair, não deixe brasas ou fogo. Recolha o lixo do local. Os excrementos devem ser enterrados. Não retire plantas e animais do ambiente. A melhor lembrança é a fotografia ou a filmagem.
- NÃO SE OMITA! Um consumidor consciente faz bem ao nosso planeta.

Um comentário:

Jarbas Felicio Cardoso disse...

Obriguei-me a fazer um comentário de forma especial sobre esta postagem! Primeiro porque eu e minha filha, Ana Luisa, estamos na foto; Segundo porque o argumento do texto é igual ao meu pensar. Acredito que a problemática ambiental de hoje, perpassa a ciência e a questão técnica, sendo uma questão acima de tudo ética, de uma ética biocêntrica, isto é, de respeito a todas as formas vivas de ser! Ecologia se faz com o exercício pleno de nossas ações diárias com responsabilidade, a saber, do controle no consumo de alimentos industrializados, da não liberação de C0², do cuidado com a água, da separação correta de nosso lixo, enfim questões diárias e simples como aborda o texto.
Falo isso porque tenho visto teóricos que apresentam mil soluções para os problemas ambientais e, no entanto, em suas ações diárias nada fazem de concreto à ecologia.
Lembro do filósofo gaúcho Roque Junges (em Ética Ambiental), que afirma a necessidade de desenvolvermos uma nova relação entre o ser humano e o restante do meio, uma nova Gestalt se faz necessário para as ações e o sentido de nossas vidas.